img { max-width: 100%; height: auto; width: auto\9; /* ie8 */ }

segunda-feira, 1 de junho de 2015

Caminhando e Acampando em Aldeia Velha

No feriado de 1 de maio fomos pra Aldeia Velha que está localizada no município de Silva Jardim, quase no limite com Casimiro de Abreu. É pertinho daqui de Niterói e chegamos em menos de 2 horas de viagem. A distância do Rio capital é de apenas 134 km.

É um lugar tranquilo, localizado no sopé da Serra do Mar. Para quem busca bonitas cachoeiras, tomar banho de rio e caminhar pelas trilhas é uma boa opção de lazer.

Portal que marca o início da estrada que leva a Aldeia Velha
Abaixo podemos ver o caminho elaborado pelo site www.mapeia.com.br. Além de apontar o melhor caminho, o Mapeia calcula a quilometragem, o tempo de viagem, os gastos com combustível e a localização e valor dos pedágios (esses símbolos pretos no mapa).


Pela BR-101, antes de chegar em Casimiro de Abreu, indo em direção a Macaé, dobrar à esquerda na saída 214, logo após a entrada da Reserva Biológica de Poço das Antas. Daí são mais 8 km de estrada de chão até lá. Vale ressaltar que a BR-101 está em obras de duplicação, mas este trecho ainda não está duplicado.


A seguir podemos ver a localização dos campings Aldeia do Bambu e Nova Aldeia, que faz parte da Reserva Particular do Patrimônio Natural Bom Retiro. O camping Aldeia do Bambu fica dentro da vila de Aldeia Velha, já o camping Nova Aldeia fica a cerca de 1 Km da vila, no caminho para a cachoeira das Andorinhas.


Na imagem abaixo a área do camping Aldeia do Bambu.


Clique na imagem a seguir para baixar a carta topográfica de Aldeia Velha (Quartéis), folha SF-23-Z-B-III-3.


A estradinha de chão que leva até a vila de Aldeia Velha é bem conservada.

Caminho para Aldeia Velha
A vila de Aldeia Velha possui alguns mercados, bares e restaurantes. Mas não tem farmácia, posto de gasolina e caixa eletrônico, assim é bom levar medicamentos e dinheiro em espécie, embora o camping Aldeia do Bambu aceite cartão de débito e crédito.

Centro de Aldeia Velha
O camping é pequeno, mas muito bonitinho. Tem um tratamento paisagístico bem legal.

Entrada do camping
Existem dois espaços distintos no camping: o espaço da frente, próximo à rua, e outro mais abaixo que fica nos fundos do Aldeia do Bambu. O espaço da frente é todo gramado com terreno plano. Existem algumas árvores com boa sombra. Já o espaço dos fundos é muito sombreado, com terreno em declive e piso de terra.

Espaço da frente
Espaço da frente
Espaço de baixo
Este camping é só para barracas e os carros ficam estacionados na rua, sem possibilidade do carro entrar para descarregar os equipamentos e bagagem.

Se você quiser utilizar energia elétrica, são poucos pontos (110V) disponíveis e por isso é necessário levar uma grande extensão, dependendo do local escolhido para a montagem da barraca.

O camping oferece comodidade para os campistas que não querem cozinhar, já que fica à disposição, nas duas cozinhas que atendem às churrasqueiras, talheres, louças e algumas panelas. Vale ressaltar que não existem lava louças separados, as únicas duas pias existentes no camping são as mesmas que atendem as churrasqueiras, o que, em momentos de maior movimento e utilização, pode ser pouco.

Pia, churrasqueira, forno e fogão a lenha. Na lateral as portas dos banheiros
Também para maior facilidade de quem não quer esquentar a cabeça quanto a alimentação, o camping conta com um bar onde o campista pode comprar bebidas geladas, tomar café da manhã e à noite degustar um delicioso crepe. No mesmo local também pode adquirir artesanato em bambu feito pelo próprio dono do camping.

Loja de artesanato de bambu e bar
As 2 grandes churrasqueiras ficam em espaços com belo tratamento arquitetônico, onde existem mesinhas e cadeiras no entorno, alguns bancos e redes de bambu.


Os banheiros são novos e estruturados. Há uma bateria de banheiros femininos e masculinos com 3 cabines de duchas de água fria e 3 cabines para o vaso sanitário. Todas as cabines das duchas são fechadas com portas de blindex. 

Para o banho quente existem 3 banheiros completos, ao lado de uma das churrasqueiras, que atende tanto aos homens quanto às mulheres. Dependendo do horário, este número não atende a demanda, sendo motivo de formação de filas.

Vale ressaltar que o maior problema estrutural do Aldeia do Bambu está no quesito banheiro, no que abordamos a seguir:

Na bateria de banheiros exclusivos a homens e mulheres:
1- O espaço disponível para a utilização do vaso sanitário é insuficiente quando se fecha a porta;
2- Não existe nenhuma descrição, para aqueles que estão indo pela primeira vez, que as duchas são apenas de água fria. No verão, tudo bem.... agora, nos dias frios...
3- Não há nas cabines das duchas lugar para apoio destinado ao shampoo e sabonete. Ou coloca-se no chão ou no alto das paredes divisórias. Isso é bem desconfortável;
4- No final do dia, com muito movimento, os banheiros não estão limpos devidamente.

Na bateria de banheiros exclusivos a homens e mulheres e nos banheiros com banho quente:
1- Não existem locais no banheiro para pendurar toalhas e roupas; 
2- Com o movimento para atender a tantas pessoas, durante todo o dia, o banheiro fica muito molhado.

Banheiro feminino

Acreditamos que os problemas apontados tem fácil solução, o que poderia proporcionar maior comodidade para os campistas. São pequenos detalhes que não podem suplantar a qualidade dos materiais utilizados na construção dos espaços do Aldeia do Bambu, que é de muito bom gosto.

Como o camping, na parte gramada, não é tão grande, neste feriado as barracas acabaram ficando muito próximas umas as outras. Até aí tudo bem, se houvesse maior consciência em respeito ao horário de silêncio. Na verdade não tivemos conhecimento de um regulamento que abordasse essa questão. 

Por ser perto de cidades como Rio de Janeiro e Niterói, por suas características peculiares e por Aldeia Velha ser considerado um local alternativo, o camping atrai um público predominantemente jovem, transformando-se em uma espécie de point da galera.

Comentário da Marcelle: 

Não temos muito o que mostrar das cachoeiras e trilhas de Aldeia Velha, já que fiquei doente no segundo dia de camping, o que nos impossibilitou fazer qualquer tipo de passeio. Na verdade, só queria ficar deitada pela febre e dor insuportável no corpo, sintomas da dengue... e aí... alegria da acampada foi embora. Muito chato!





O que vamos levar no coração da Aldeia do Bambu:

Conhecemos o casal Simone e o Sérgio, que estavam acampando com a T6.2 pela primeira vez. Pessoas bacanas e queridas. Pena não termos tido a possibilidade de nos aventurarmos pelas cachoeira juntos... mas não vai faltar oportunidade de outras tantas acampadas por aí... não é mesmo?


Enfim... voltar para conhecer melhor o lugar, já que é tão pertinho. Acampar no Aldeia do Bambu num final de semana, sem tanto movimento, com certeza deve ser mais gostoso e aproveitarmos para conhecer os locais que não tivemos a oportunidade de ir.