img { max-width: 100%; height: auto; width: auto\9; /* ie8 */ }

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Caminhando e quase Acampando em Carrancas


Continuando a história que começou em Ibitiopoca...

Atravessamos o rio Capivari em direção à Carrancas.




 Mais 30 km de estrada de chão em terras mineiras no valente "Audaz".




Sem desanimar e um tantos ansiosos por chegar, já que não tínhamos acertado com antecedência a estadia em um camping em Carrancas. Queríamos tanto conhecer esse lugar cheio de águas que nos aventuramos, mesmo assim, pois sabíamos da existência de 2 campings na região. Férias e aventura fazem uma mistura infalível, não é mesmo?

E fomos nós... 
Caminhando com o Clube de Esquina.





Chegamos na cidade por volta das 15 horas...exaustos...eramos poeira da cabeça aos pés. Fomos procurar os campings que tínhamos conhecimento.

O primeiro camping que fomos  fica no centro da cidade.
Bem... o que vimos não era a nossa proposta, já que ficar confinados em um terreno pequeno, cercado com muros altos, sem a menor chance de acomodar a "Lindona" fez que desistíssemos dessa opção.

Fomos para a segunda tentativa. Vai dar certo! (nosso desejo esperançoso...)

Chegamos no Camping da Ponte, mais ou menos uns 2 km do centro da cidade. Camping grande e parecia ter uma boa estrutura, mas... o camping estava vazio e ninguém para nos atender. Ficamos ali por algum tempo, andamos no local e não tinha viva alma para nos dar informação. 







Pois é... inverno, agosto, baixa temporada, escurecendo, fome, cansaço e vontade enorme de tomar um banho, fez que a gente seguisse, na intuição, para o "Complexo da Zilda". Mais 10 km de estrada de chão sem ter a menor ideia do que iríamos encontrar.

Até que chegamos... enfim...e agora?


vista do vale onde fica o Complexo da Zilda



Ih! aqui tem camping!!!!!

Mas...sem chance de ficar, já que a estrutura é bem precária. 
O que é uma pena, por que o lugar é bonito e  dentro do camping a tem cachoeira do Escorrega.

 

banheiros e lava pratos



Por sorte encontramos um chalé para alugar. 
Ficamos no chalé verde.



Imagine a decepção depois de tanto andar pra não acampar?

Por isso o título do post: Caminhando e QUASE acampando em Carrancas.

Detalhe...nesse lugar não existe um lugarzinho pra comprar comida.O restaurante, que fica dentro do Complexo,  só deve abrir nos fins de semana e feriados.

Mas, como adoramos fazer nossa comidinha na barraca tínhamos um suprimento que quebrou o maior galho nesse dia. E na cozinha do chalé preparamos o nosso almoço ajantarado.. ou jantar almoçado...ah! qualquer coisa que  fizesse nos sentir melhor depois de um longo dia de viagem e um tanto decepcionante por não estarmos sob a "Lindona".




Ficamos até quinta-feira de manhã e aproveitamos a proximidade para conhecer, no dia seguinte (terça-feira), o Complexo da Zilda que conta com várias cachoeiras super bonitas.

Cachoeira dos Índios: primeira queda d'água, bem pertinho da entrada do Complexo e do restaurante que estava fechado. Ao lado da cachoeira tem o Sítio Arqueológico com as pinturas rupestres (que não são muitas)









Lugar bonito e ótimo para tomar banho.

Mas, o Complexo tem muito pouca sinalização, ou quase nenhuma, pois ficamos um tempão para achar a próxima cachoeira. Ficamos tentando adivinhar a passagem, até que um casal saiu do outro lado do rio e perguntamos onde ficava a cachoeira da Zilda. 

Assim, atravessamos o rio e pegamos uma trilha que dá em uma lage de pedra. E continuando na intuição conseguimos chegar na....

Cachoeira da Zilda:








E com a bússola interna a todo vapor, chegamos na última cachoeira dessa direção do Rio Capivari.

O Poço da Proa

Gente! Que lugar lindo! 







E voltamos em direção à:

Cachoeira do Escorrega (que fica dentro do camping)





Na quarta-feira aproveitamos para conhecer outras cachoeiras e percorremos
a Estrada Real em várias rotas. Adoramos encontrar o símbolo dessa estrada que remete a história daqueles que seguiam por caminhos difíceis e que foram interligando lugares, pessoas, religiosidade e culturas...


 eu vejo o futuro repetir o passado e vejo um museu de grandes novidades... o tempo não pára!


                   Simbolo do Caminho Religioso da Estrada Real - CRER





Cachoeira da Fumaça 








e da Esmeralda





A cidade





e acabou o dia num belo fim de tarde no Vale da Zilda




Então... aprendemos que nunca devemos sair por aí sem a certeza de encontrar um camping com o mínimo de estrutura e que esteja funcionando. Assim, inconformados com o não acampar em Carrancas fez que esticássemos nossa viagem... porque não São Tomé das Letras?

Dessa vez por rodovia e nada de estrada de chão...

E lá fomos nós para São Tomé das Letras já sabendo qual camping iríamos ficar.




E daí vem outra história...

Um comentário:

  1. Amigos pra vocês pode ter sido meio frustante mais pra nos garanto que não foi kkkkkkk.
    Fotos maravilhosas lugar belíssimo.
    Uma pena vocês não terem encontrado um camping com o minimo de estrutura mais com certeza nos brindaram com uma engraçada historia.
    Abraços Marcelo & Thais

    ResponderExcluir